terça-feira, 30 de abril de 2013

Vira o disco e troca o mesmo

Até já estava a estranhar ainda não ter começado a baralhação típica que estas viagens me provocam. Juro que por momentos achei que isso me tinha passado, que era coisa do passado e que agora sim estava resolvida.
A verdade é que não. A verdade é que as minhas baralhações tardam, mas não falham.
E lá estou eu de novo no e se eu fizesse, e se eu viesse, e se eu largasse, e se eu trouxesse...?
Dúvidas, dúvidas, dúvidas...
Isto de andar em latitudes abaixo do equador não me faz nada bem à saúde...mental!

Se eu também podia fazer posts do estilo "O que vês tu da tua janela, Anita"?


Podia, mas depois tinha de pespegar aqui com uma foto destas e, como as coisas andam, se calhar não ficava lá muito bem...

segunda-feira, 29 de abril de 2013

quarta-feira, 24 de abril de 2013

Isto sim é um turn-off

O quê que te faz pensar que afinal, uns dias de trabalho com fim de semana de praia, passeio e amigos na cidade maravilhosa, qual garota de Ipanema, já não é assim tão espectacular?
Ter alguém que diz que vai ficar um esqueleto de saudades tuas!
E eu que estava algures entre o sedenta de sol e o inquita para sambar, vim por ali abaixo...sou um coração mole!
Isso e saber que, quando ao fim de 13 horas de voo (com uma escala em São Paulo pois só os afortunados têm direito a voos directos) eu vou estar a começar mais um dia de trabalho (sim, um coladinho ao outro, non-stop que a malta é rija e aguenta)  ele vai estar a comprar os tais ténis do demo do Benfica.

É caso para dizer que só posso ter jogado pedras na cruz!!!


Abaixo de 0

É assim que está a minha concentração, a ZEROS!!!
Entre viagens inesperadas para o outro lado do Atlântico e para a qual ainda estou em standby apesar de ter voo marcado para as 23h, entre as borboletas que estupidamente me esvoaçam no estômago (juro que até estou assim meio enjoada tal é a violência da coisa), entre o Calvin, pela primeira vez, não estar colaborar com esta minha ausência até ao aperto descomunal que sinto por ter de o deixar assim tão tristinho, entre sonhos, caras de parva, pensamentos descabidos, ansiedades, calor, sono, ter pela frente uma noite e manhã seguinte inteiras de voo para ir directa trabalhar, entre planos para borgas e borgas, trabalho, jantares, praia, passeio, mais trabalho, malas (ainda para fazer), não me consigo concentrar e nada!
Na verdade a única coisa que consigo fazer é enfiar os phones e deixar-me ir. 
Sei que sempre que mando tudo para o alto, assim numa de "que se lixe isto tudo que agora não me apetece", as coisas acabam sempre por cair no sítio certo, ou menos errado.
Assim sendo, ladies & gentlemen, fasten your seatbelts and get readdy for take-off!

segunda-feira, 22 de abril de 2013

Onde? Mas onde é que eu estou a errar na educação deste rapaz?!

Então uma criança nasce no seio de uma linda família com tradição verde e branca (ignorem a tia que é na verdade a excepção que confirma a regra), que nasce. À criança é lhe incutida desde pequeno a grandeza que é, independentemente das vitórias ou derrotas, pertencer ao Clube de Portugal (sim, não é Lisboa, muito menos arredores tais como Benfica), que é.
Uma pessoa leva a criança às aulas de piano para que ele tenha, desde cedo, um refinado gosto para a música, para que se lhe desenvolva melhor a capacidade de raciocínio, à natação para que pratique um desporto completo, competitivo, divertido, a museus e parques naturais para que o seu gosto pela arte e ciência cresça com ele.
O "piqueno" é levado a viajar para que desde cedo seja uma pessoa esclarecida, com uma mente aberta e uma vasta visão do mundo e, nessa última viagem, o que vê ele numa montra indo pedir à sua avó para lhe comprar? (aqui vê-se claramente que, apesar de tudo, a criança é esperta em não ir pedir à sua mãe, havendo portanto hipóteses de cura dado o seu elevado Q.I.)
Uns ténis do Benfica, senhores! Uns ténis do Benfica! Pior, uns ténis do Benfica para poder completar o equipamento que em tempos foi recambiado para casa do seu pai (lampião...sim, eu sei que é triste!).
Agora alguém me explique como é que se convence uma criança que está feliz por ir esta semana comprar os tais ténis que andar com aquilo nos pés a jogar à bola já é mau, mas que querer levá-los para a escola, assim a título de calçado principal é de bradar aos céus. Pois, é difícil.
E assim de repente, enquanto escrevia este post, aproveitei o facto de já estar no computador para fazer uma pequena pesquisa sobre colégios internos e clínicas onde se possam fazer lobotomias.
Tudo pela (boa) educação do meu "piqueno", claro!

Quem espera...

...não alcança, não desespera, mas aparvalha, e como!
Pois que às vezes, neste mundo maluco, inesperado, nesta vida que é uma montanha-russa, precisamos de conselhos sábios, experientes. Precisamos de alguém que nos guie, que nos oriente e sirva de líder espiritual, alguém que nos dê respostas às perguntas que nos inundam o pensamento, que nos deixam inquietos e ansiosos.
Pois que estou numa dessas fases. A minha sorte é que tenho esse guru que me acompanha, que me indica o caminho e que me acalma a mente e o coração com as suas respostas ponderadas e tão certeiras.

Mestre Yoda, hoje eu vou-lhe usar!

Indicações de uso: Agitar ferneticamente enquanto se faz uma pergunta mentalmente (quem quiser pode fechar os olhos para dar um ar mais solene à coisa); espreitar para baixo das saias do Mestre onde aparecerá o símbolo que responderá à pergunta.
Obrigada, Mestre! (e obrigada T. por partilhares o guru com os mais necessitados :) )

domingo, 21 de abril de 2013

Today's Mood #59


Sem duvida que não estava à espera. Estava longe de imaginar, mas gostei. Quero mais.
Mudanças eram bem vindas, diria mesmo desejadas e sim, um pouco "disso" também. A ver...

sábado, 20 de abril de 2013

Por que é raro,muito raro, mas às vezes tenho uma dúvida ou outra...

Ainda não descobri se tenho queda para artistas se para artolas.
Ou isso ou devia tentar apostar no euromilhões. Com a sorte com que ando e com a quantidade astronómica de aranhas nojentas que habitam o meu terraço "mai lindo e soalheiro", algo me diz que estou a um passinho de estar rica...ou de ter MUITA sorte ao jogo!

terça-feira, 16 de abril de 2013

Expectativas, Expectativas, Expectativas...

Por mais elevadas que elas já estivesses, não foram, de todo, defraudadas!
Ele há muito sítio bonito no mundo, que há. Muitos que já vi, muitos que quero ver, mas este vai ficar, seguramente, na top list!
Não é para todos, que não é, mas faça chuva, sol ou vento, que entre em erupção, que lhe saiam vapores das entranhas ou até mesmo que abane, pode ser sempre para mim!
Venham de lá a 8 que me faltam...



















domingo, 14 de abril de 2013

Se é possível calarem-me? É dificil, mas consegue-se


Porem-me em sítios destes é, talvez, a maneira mais eficiente de conseguirem o meu silêncio.
Andar a fazer curva e contra-curva para quando se sai do carro, assim sem mais nem menos, sem aviso prévio, dar-se de caras com isto, é coisa para me deixar calada, a olhar, a ver, a pensar na melhor palavra para descrever o que vejo. É aí que desisto e prefiro ficar calada, a olhar em silêncio.
Ver tudo isto contigo é ainda melhor!
Às vezes nem sei bem o que me dá mais prazer, se é ver o mundo, se é poder mostrar-to.
Chego sempre à conclusão que ver  mundo contigo é o ideal.

sexta-feira, 12 de abril de 2013

Se há coisa que me deixa sempre assim para o bralhada é fazer malas

Em especial se for para ir de férias.
Quando a coisa é a trabalho não custa nada. A versão corporate é mais fácil de arrumar e ocupa muito menos espaço.
Quando se dá o caso de ser a passeio, a coisa complica-se. Ele é todo um conjunto e toda uma parafernália de coisas para as mais variadas ocasiões, muitas delas impossíveis de acontecer no destino escolhido, mas a vida é uma montanha-russa e por isso, nunca se sabe.
Para uma semana a trabalho consigo viajar com uma mala de cabine onde há sempre espaço para mais qualquer coisa que se compre. Bom, aquela vez na Noruega em que, tal foi o fernezim de compras, acabei por ter a mala do portátil atulhada em sapatos, a mala de viagem a fechar comigo de joelhos em cima dela, a transpirar tal não era o esforço, isto tudo ao lado do segurança do aeroporto que se deve ter arrependido amargamente de me ter pedido para abrir a mala da qual saltaram sacos, botas, letras em cimento as quais ainda hoje me questiono sobre o porquê de ter embirrado em comprar lá, mas enfim, não conta, ok? Nem essa nem a vez em que vim de Luanda com 14 kg a mais, 2 dos quais revelaram-se ser maboques podres, e os quais me custaram 50 USD e 40 min do mais puro suborno de conversa altamente persuasiva com o senhor do check-in, também não.
Sendo que amanhã a viagem é a passeio, escusado será dizer que uma mala com tamanho de cabine não chega, nem sobra.
Por isso, e visto amanhã não ir para fora a trabalho,só tenho uma coisa a dizer da minha mala:


 E até aqui se vê (muito bem) a diferença cromossomática. A mala do Calvin não é grande, tem o essencial e mais umas coisas que possa eventualmente precisar e fecha na perfeição, sem esforço, mesmo albergando 2 casacos meus. O mais bizarro de tudo? É que a mala dele também fui eu que a fiz!

quinta-feira, 11 de abril de 2013

Se isto não for uma capacidade extrema de organização, então não sei o que seja

Tendo em conta que na 6ª feira tenho de estar às 6h40 no aeroporto, achei por bem organizar as coisas decidindo então que hoje devia:
  • pintar as unhas (sim porque nem só de trabalho, facturas e contas vive uma mulher)
  • ir à depilação na hora de almoço
  • arrumar grande parte da mala;
  • tratar dos pormenores que faltam com o mecânico para poder, finalmente, vender o meu velho alemão;
  • separar as facturas para o IRS;
  • usar as facturas que tão sábia e organizadamente separei para preencher a declaração que (espero) me vai deixar ainda mais rica;
  • organizar os dias com base  no roteiro que gentilmente me fizeram para 6 dias no ilhéu
  • arrumar o que houvesse para arrumar cá em casa;
O que na realidade fiz: NADA! (além de ir comprar roupa para o Calvin e falar ao telefone)
É  que na verdade há prioridades, eu é que ainda não as defini muito bem.
Algo me diz que o dia de amanhã vai ser duro, muito duro

domingo, 7 de abril de 2013

Depois de estar a ver o JA ao lume...

...chego à conclusão que o que eu queria mesmo, o que estava mesmo a precisar, o que era coisa para me deixar assim para o feliz era isto:


Se não fosse pedir muito, na cozinha podia ser o próprio Avillez (oh minha nossa que quase que estou aqui a salivar só com a ideia de ter aquele fofinho ali na minha cozinha) e a limpar a casa podia ser o Tony Micelli (esse grande clássico que foi o Chefe mas pouco sempre me inspirou. Aquilo sim, foi uma série visionária).
E atenção que a existência destes 2 não invaida, de todo, a existência de um 3º elemento para outras finalidades, ok?
Acham que é pedir muito? Que é sonhar alto? Eu cá acho que não...

sábado, 6 de abril de 2013

Today's Mood #58


E não há melhor maneira de começar o fim de semana. Abraços, conchinha, sorrisos, beijos até doerem os lábios, olhos brilhantes, gargalhadas, maluqueira da pura e (quase) tudo o que temos direito, sem explicações, sem "porquês", sem "e depois?", sem pensar, só porque sim!