terça-feira, 19 de janeiro de 2016

Quase um lifestyle blog...só que não!

Fosse isto um pequeno-almoço tomado no quentinho de casa, com um cabelo meticulosamente despenteado para dar um ar cosy-cama-chique-que-acordo-assim-já-linda-e-maravilhosa, em vez da secretária da chafarica, e quase que vos podia dar aqui umas lições sobre vida saudável, pequenos-almoços e vidas coiso e tal, mas não. Isto na verdade resulta de uma correria para recuperar a marmita esquecida no carro a ver se me mantenho firme nisso de perder uns quilos.
Cada um faz o que pode, não é verdade?

quinta-feira, 14 de janeiro de 2016

2016 - vira o disco e toca o mesmo

2016 já chegou há semanas. Sei-o porque é o que diz o calendário e porque à meia noite do dia 31 de Dezembro abrimos uma garrafa de champagne que anunciou a sua chegada, mas a minha casa, a minha cabeça e a minha vida ainda estão em 2015. Ainda tenho uma árvore de natal na sala a lembrar-me as festas, os quilos a mais e o quão desorganizada estou e vou continuar. Continuo em modo António Variações, estilo "estou bem aonde não estou porque só quero ir aonde não vou"...
Há quem diga que o relógio voltou ao zero e que começou o tic-tac dos 366 dias para mudar e fazer acontecer. 14 dias passados ainda não comecei. Lá está, trabalho melhor sob pressão pelo que pode ser que, lá para Dezembro, me organize. Ou não...

sexta-feira, 4 de dezembro de 2015

Agora só se fala em acabar com os exames do 4¤ ano

E eu não podia concordar mais, mas isso daria aqui pano para mangas e já por várias vezes expressei a minha opinião sobre o assunto em blogue alheio. Assim sendo, e considerando-me eu uma criatura revolucionária, cheia de ideias peregrinas, porque não acabar antes (ou também) com as milhentas festas temáticas que teimam em fazer nas escolas, por tudo e por nada, tendo sempre como denominador comum uma máscara?
Ele é Carnaval, Páscoa, festa de fim de ano, Halloween e agora até a festa de Natal. No meu tempo (oh meu Deus, já digo no meu tempo!), a festa de Natal consistia nuns desenhos e colagens para decorar a sala e em fabricar uns presentes para os pais. Já com o Calvin, passei a participar nas decorações do colégio, feitas em casa e em família e a assistir a uma coreografia muito ensaiada com músicas de Natal, exibida com orgulho na sala de aula de todos os dias. Agora no 3 ano, a fasquia é outra. Alugam-se auditórios, faz-se um Natal multicultural com representação de vários países e a mim calhou-me um chinês!
Senhores, bem sei que as metas são ambiciosas, que é tudo muito bonito, tudo muito certo e que aos 8 anos todos devem saber, a bem da cultura, das regras e do bom ensino, quais as tradições culturais de cada país pela altura de Natal. Sei também que há que justificar o trabalho feito nas aulas de Mandarim e que serem trilingues aos 8 é que é muito bom e sinónimo de progresso, mas acho que as senhoras da Mascarilha já não me devem poder ver e eu confesso que já deito o We Wish You a Merry Christmas, cantado pelo Calvin em chinês, pelos olhos!!!
Se calhar esta medida não dava tanta discussão como os exames por isso, fica aqui a sugestão.
Muito obrigadinha.