quinta-feira, 30 de abril de 2015

Dia da Mãe

E o que eu amo estas prendas!
Agora vou só ali babar mais um bocado para cima dele e ver se me aguento sem a abrir até Domingo.

Afinal ainda há esperança que o dia se componha

Por razões que a razão até pode não conhecer, mas que lei não descura, esta semana tive de andar de transportes. Como é óbvio, não pela lei da vida, mas pelas de Murphy, se as coisas não estão bem, a tendência é piorarem e, de facto, confirma-se.
Depois de uma semana a qual podia apelidar de excepcionalmente merdosa nos mais vastos aspectos, prestes a bater com a porta da chafarica a que chamo trabalho para um fim de semana prolongado e de onde vislumbrava uma 2 circular em pára-arranca desde as 15h30  (afinal ainda há bons empregos), chego ao metro que me há-de levar a casa e espantem-se: está vazio e tenho lugar sentada!
Afinal nem tudo corre mal.

quarta-feira, 29 de abril de 2015

Selfie stick 2.1 - upgrade

O selfie stick, ou pau para tirar auto-retratos, para aqueles que não gostam de estrangeirismos, já sofreu melhorias pois isto da tecnologia, literalmente de ponta, não pára.
Querem uma selfie durante aquele fim de semana fabuloso, sozinhos, na Costa de Caparica ou nas férias de sonho, também sozinhos, em Quarteira (e sim, em Quarteira, já que para lá vão não digam na Quarteira que ir, por si só, já é mau o suficiente não havendo necessidade de tornar a estadia ainda pior)? Se quiserem  eternizar esse momento e fazer com que os vossos amigos no Facebook fiquem roídos de inveja a pensar que aquilo é que foram uns dias a dois, pejadinhos de romance, têm aqui a solução.
De nada. Sabem que para gadgets destes podem sempre contar comigo.

terça-feira, 28 de abril de 2015

Portal da Finanças e sites governamentais afins...

Diz o meu computador, em inglês não vá a Troika estar à espreita enquanto preencho o meu donativo anual ao país, que o site do portal das finanças não é seguro nem tampouco confiável. Pois eu que nem sou de acreditar em máquinas, que acho que nós é que mandamos e percebemos do assunto, acredito piamente no que ele me diz.

sexta-feira, 24 de abril de 2015

Junk e-mail #02

Visto que ontem a Mona não teve sorte nenhuma com aquilo da cartomancia, decidiram então tentar-me de outra forma.
Caríssimos, a intenção até pode ser boa, que isto de se estar disposto a apicantar a vida das pessoas até é coisa de valor, mas a ideia é má. Na verdade nem é má, é péssima!
Receber um e-mail cujo remetente aparece como Marotices é logo um mau começo e a coisa não melhora quando me oferecem uma noite picante por 5,99€.
Vá lá, confessem, por 5,99€ só consigo um saco (pequeno) de piri-piri em grão para esfregar na língua e passar a noite à arder, não é? É que tirando isso, por esse valor, a única coisa que me ocorre é o velho ditado que postula que pimenta no rabo dos outros, para mim é refresco.

quinta-feira, 23 de abril de 2015

Junk E-mail e cenas que me aparecem no mail de trabalho

Por momentos, e ao ler o nome Mona, passou-me pela cabeça que a senhora do sorriso misterioso, aquela que eu vi pequenina, lá atrás dos vidros e das baias de segurança no Louvre, aquela a quem todos fotografavam e a quem eu virei as costas por tê-la achado uma decepção, afinal a última ceia com quem ela partilhava a sala era infinitamente melhor, me estava a mandar um e-mail quem sabe a pedir satisfações pela má publicidade que lhe tenho feito e pelos elogios pouco simpáticos que lhe tenho dirigido sempre que se fala nela. Oh Anita, mas aquilo é só um quadro, a senhora já nem existe, não se sabe se existiu e este teu devaneio é só...ridículo, dizem vocês. Pois, está bem, até pode ser, mas a caixa de e-mail é minha e em mim ninguém manda o que me dá todo e qualquer direito de pensar o que quiser, em especial sobre quem se dirige a mim usando Mona como nome e a mim apeteceu-me assim. Podia ter-me dado para pior, mas adiante. Esta história podia ser toda muito certa, muito verdadeira não fosse no subject a Mona pedir-me para escolher uma carta. Aí Jesus, mas agora querem ver que a Mona (nome carinhoso também empregue à polícia) me veio informar via e-mail que afinal 120 dias sem pegar na minha viatura não chegam como castigo e que o melhor é escolher outra carta que não a de ligeiros para tirar? Eu cá não sou fã de motas e carta de pesados também não me parece uma boa opção.

Bom, no meio de tanta dúvida e visto isto ter ido parar à junk box, façamos então um shift+del r não se fala mais no assunto. 

quarta-feira, 15 de abril de 2015

Assim de repente e sem melhor título para dar a isto, diz que vai ser tudo ao molho e fé em Deus

Desconfio que algo mudou. Não sei bem o quê, se é um alinhamento cósmico, se o diabo, mas a verdade é que estou para aqui a fazer figas para que o Sr. Accuweather não tenha razão e que não caiam nem raios nem coriscos para eu poder ir correr. Eu que nunca corri, que nem nunca gostei de o fazer, agora faço figas para que não se me arruínem os planos. Até programo a hora da pausa do cigarro a ver se a nicotina não me faz parar mais cedo. Ao que cheguei!

Desde os meus 15/16 anos que andava de candeias às avessas com a Zara. Houve ali uma altura, há uns 2 anos, em que lhe dei trégua na secção de criança, mas foi sol de pouca dura. Hoje, ao décimo quinto dia do mês de Março do ano de 2015, sinto que preciso de ir à Zara e que de lá sairei feliz. Ainda estou aqui a digerir este sentimento, sem saber ainda se o encaixo na vergonha ou na estupefacção, mas logo vejo o que lhe faço.

Se a tudo isto juntar o facto de, mesmo com os níveis de paciência no redline, sorrir e acenar a uma birra de criança na qual a criança já tem mais do que idade para ter juízo, concluo que ou o Apocalipse está para breve ou estou a pontos de atingir o Nirvana.

Nota: e enquanto escrevia isto tudo...começou a chover! There goes my running, que eu cá ando a gostar disso de correr, estou maluca da cabeça, mas à chuva? Também não fiz mal a ninguém.