quinta-feira, 30 de Outubro de 2014

O quê que, quase a entrar em Novembro, nos faz estar próximos dos brasileiros?

Para além das novelas, isto. Vá, menos a parte Regina Caso. Se quiserem podem substitui-la pela Ana Malha, pela Cristina Ferreira ou até mesmo pelo Passos Coelho. É escolher.
E viva este calor tardio...not!

Ansiedade pré testes

Depois de 4 anos de ensino básico, 2 anos de ensino preparatório, 6 anos de ensino secundário, 5 anos de ensino superior, avaliações de competências e objectivos no trabalho, mais do que habituada a testes, provas globais, exames nacionais, exames finais, frequência, testes de Q.I., de personalidade, de gravidez, até testes à presença de estupefacientes e todos os tipos de testes teóricos e práticos, hoje, aos 33 anos, o teste que me deixa mesmo nervosa é o do lápis.
O frio na barriga, as mãos geladas, uma pessoa ali de pé, costas muito direitas em frente ao espelho, quase sem respirar à espera que ao largar-se o lápis ele se estatele ao comprido no chão.
Prova superada. Parabéns miúda!
Encontramo-nos daqui a uns meses. Agora vê lá, não te estragues entretanto.

quarta-feira, 29 de Outubro de 2014

segunda-feira, 27 de Outubro de 2014

Ora comecemos então a semana

Acho que não era bem isto que eu tinha em mente quando, de olhos levantados para o céu em jeitos de oração, pedi ao universo que me desse forças para queimar pneus. Lá está isso de termos de ter cuidado com o que pedimos...
Universo, se me estás a ler, eu referia-me aos da barriga, não aos do carro.

sábado, 25 de Outubro de 2014

Isto no meu tempo não era assim

No meu tempo não havia canais de desenhos animados disponíveis 24h/dia. Bom, com a idade do meu filho falar em canais era referirmo-nos à RTP 1 e à RTP 2. A SIC e a TVI foram um upgrade de luxo à rotina televisiva. Quem diria!
Desenhos animados durante a semana eram os que passavam durante a votação do Agora Escolha e a Rua Sésamo ao final da tarde (caramba, agora que penso na mistura explosiva que é juntar a Vera Roquette e o Poupas percebo alguns dos meus traumas). Restart tv era um conceito tão esotérico e distante como cidades flutuantes e carros voadores, e o que eu tinha agradecido à alma caridosa que tivesse engendrado essa invenção nas tardes em que a minha avó se juntava com as amigas para verem um capítulo da novela venezuelana e eu não podia ver a Ana dos cabelos ruivos. Tinha sido gratidão para o resto da vida!
Os Sábados de manhã eram o dia mais esperado da semana. Era o dia em que tínhamos uma manhã INTEIRINHA de emissão infantil. Eram desenhos com fartura pá e uma pessoa acordava horas antes da emissão começar só para não perder pitada. Nem sei bem o que fazíamos no período de tempo em que no ecrã só estava a mira televisiva. Julgo que ficávamos assim entre o modo catatónico e o hipnotizados a olhar para a porra do relógio que aparecia no canto, a contar os segundos (sempre entretinha mais do que contar os minutos) até às 8h.
A partir daí era uma manhã bem passada no sofá a ver tudo o que tínhamos direito.
Aos 33 anos, quase 34, ainda não perdi o vicio de ao Sábado de manhã me enroscar no sofá a ver desenhos e até há bem pouco tempo a coisa corria bem. Não sei se fui eu que numa dessas manhãs adormeci e dormi demais acordando com ele já demasiado crescido se é culpa da abundância e variedade televisiva disponível, mas o que é certo é que hoje, Sábado de manhã, dia em que devíamos estar a ver desenhos animados, a única enroscada no sofá sou eu enquanto ele joga PES e me vai ensinando as diferenças entre as posições dos jogadores e as tácticas de jogo.
Entre a lavagem cerebral do médio ofensivo, avançado, ponta de lança, defesa central, defesa esquerdo e direito, dos 4x4x2, das faltas, dos carrinhos, dos golos e de tudo o que é equipa europeia, estou a pontos de dizer: volta Poupas, estás perdoado!

sexta-feira, 24 de Outubro de 2014

Só faltava falhar-me a luz

Há dias em que tudo falha!
Hoje falhou-me muita coisa, o bom senso para perceber que mandar uma criança para a escola mascarada uma semana antes do Halloween não era boa ideia. Vá lá que quando o fui buscar já tinha ultrapassado o vexame, estava feliz e bem disposto e, espantem-se, ainda me fala e gosta de mim. Um generoso.
Falhou-me a hora da primeira reunião do dia pois isto de andar cansada, dormir metade da noite no sofá e acordar a horas de ainda fazer pinturas faciais dignas de estarem expostas no Tate custa. Menos mal que, coisa rara e nunca vista, não apanhei trânsito, não fiquei 10 minutos à procura de um lugar para estacionar nem tive de esvaziar a mala à procura do demoníaco cartão que me deixa entrar na chafarica chegando só 15 minutos atrasada, mas ainda a tempo de pedir um café.
Falhou-me a hora de almoço por ter saído da primeira reunião quase a horas de entrar na segunda (a qual acabou mesmo à hora de sair), contentando-me a encher o bucho com um mísera salada comida de pé no balcão de uma mísera copa. É para a dieta. Não sou eu que estou sempre a dizer que estou gorda? Vai buscar!
Falhou-me a esteticista que não tinha vaga para mim e me vai fazer passar o fim de semana da mesma maneira que passei a semana: de calças bem compridas e com calor. Tranquilo. Assim como assim se ela não me falhasse falhava-lhe eu pois se até comer foi luxo, tirar pêlos era milagre.
Falhou-me a empregada que ontem à noite avisou que hoje não podia vir. Ok, o fim de tarde de sexta feira pode ser passado em modo sopeira até porque com esses pêlos o modo Cinderela não dava.
Falhou-me a paciência para depois de tudo isto cozinhar. O Calvin não quis MacDonalds nem encomendar pizzas. Podia achar que era vingança pelo episódio de hoje não fosse ter-se contentado com salsichas, ovos estrelados e esparguete e não, não quero saber, nem me interessa, se acham que é comida de qualidade duvidosa e tida como menu de senhora da vida.
Visto que estou a escassos momentos de nos enfiar aos dois na banheira para um banho quente (até ligava os jactos para uma massagem não fosse a coluna estar avariada e vir o técnico arranjá-la amanhã de manhã. Pumba, lá falhou a possibilidade de dormir mais um bocado ao Sábado) que vai anteceder uma noite de ronha e filmes no sofá e tendo em conta que a minha casa é toda única e exclusivamente eléctrica, resta-me rezar para que não me falhe a luz e me dê cabo dos fracos planos.
É raro falhar a luz em Lisboa? Sim, é. Também é raro ir ao Facebook ou ler um blogue e haver gente com um dia tão medroso como o meu por isso, venha de lá um Pai Nosso só para prevenir.
Até tirava fotos com filtros bonitos do Instagram para ilustrar esta bosta toda, mas para misérias e figuras triste basta ligarem a televisão na TVI.